Servidores do Banco Central contestam fala controversa de Bolsonaro sobre criação do PIX

Os servidores do Banco Central (BC) divulgaram uma nota, em nome do Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central (Sinal), rebatendo o presidente Jair Bolsonaro (PL). Em entrevista, ontem, ao Jornal Nacional, o mandatário afirmou que seu governo liderou a criação do modo de pagamento Pix.

“O candidato Jair Bolsonaro em entrevista ontem ao Jornal Nacional disse que seu governo criou o Pix, o que não é verdade. Tal sistema de pagamento instantâneo foi criado e implementado pelos Analistas e Técnicos do Banco Central do Brasil – ou seja, POR SERVIDORES CONCURSADOS DE ESTADO, não pelo atual governante ou por qualquer outro governo.”, afirmou o sindicato.

Veja também:

A nota também menciona propostas que poderiam ter atrasado a criação do Pix no Brasil. “Durante a pandemia da COVID-19, período em que os servidores do BC concluíram o projeto do Pix e o implementaram, o atual Governo ameaçou os servidores públicos com cortes de salários de 25% e redução das suas jornadas de trabalho (isso teria retardado a implementação do Pix em muitos meses!)”.
O Sinal ainda ressaltou que o início do projeto do Pix aconteceu antes do mandato de Bolsonaro. Além disso, a portaria do Banco Central n. 97.909, que coordenou e instituiu o grupo responsável pelo pagamento instantâneo, foi publicada em 3 de maio de 2018, antes de o presidente ser eleito.

Em um discurso público em novembro de 2020, Bolsonaro declarou que o Pix era ligado à aviação civil, o que, segundo a nota, demonstrou a desinformação do presidente sobre o assunto.

O Sinal completou dizendo que é um sindicato imparcial, possui uma atuação apartidária e não vai permitir que candidatos tirem proveito do trabalho dos Analistas e Técnicos do BC em suas ações eleitorais: “Governos passam; os servidores concursados do Estado brasileiro permanecem.”

O atual presidente e novamente candidato já tinha afirmado, outras vezes, que o seu governo foi responsável pela criação dos pagamentos instantâneos.

Fonte: .uol.com.br

Outras notícias

Saiba mais

Comentários

.