Menu

Saúde & Bem-Estar

SBOC alerta para a queda da vacinação contra o HPV

hpv
(Foto: Freepik)

No calendário da saúde, Janeiro é o mês escolhido para chamar a atenção da população para um dos tipos de câncer mais incidentes entre mulheres (atrás apenas do de mama e de reto) e que pode ser evitado: o câncer de colo do útero. Para 2023, dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA) estimam que surgirão aproximadamente 17 mil novos casos e seis mil óbitos pela doença.

Leia também – Carteira de vacinação em dia previne doenças durante as férias

Também conhecido como câncer cervical, esse tipo de neoplasia tem como principal causa no país a infecção persistente pelo Papilomavírus Humano (HPV), em especial os do tipo HPV-16 e HPV-18, responsáveis por cerca de 70% dos casos. “Por isso, a vacinação é fundamental”, afirma a diretora da SBOC, Angélica Nogueira.

Desde 2014, o Ministério da Saúde implementou no calendário vacinal a tetravalente contra o HPV, atualmente disponível gratuitamente para meninas e meninos de 9-14 anos, e para adultos imunossuprimidos até 45 anos. A vacina protege contra os tipos 6, 11, 16 e 18 do vírus.

“Muito se fala na criação de uma vacina contra o câncer. O fato é que já existe uma vacina que evita vários tipos de câncer. É a vacina contra o HPV. Isso porque estudos comprovam que o vírus está diretamente ligado não só ao câncer cervical, mas também a cânceres de ânus, vulva, vagina, pênis e orofaringe”, comenta Dra. Angélica Nogueira, que também é coordenadora do Comitê de Tumores Ginecológicos da SBOC.

Prevenção, sintomas e tratamento

Com princípio silencioso, o câncer de colo do útero demora para se desenvolver e se dá por meio de alterações das células uterinas, apresentando primeiro uma pré-lesão (neoplasia intraepitelial cervical). “Conforme a doença avança, alguns de seus principais sintomas são sangramentos, corrimento e dores na relação sexual”, comenta. “Se detectado no início, o câncer cervical apresenta grandes chances de cura”, acrescenta a oncologista clínica.

Para prevenir a doença, além da vacinação completa contra o HPV, é recomendável (mesmo em pessoas vacinadas) a realização de exames de rastreamento. “O exame do Papanicolau é o exame principal e deve ser realizado a partir dos 25 anos e, após duas negativas, a frequência deve ser de no mínimo uma vez a cada três anos. Já em mulheres que tiveram o HPV positivo em algum momento da vida, a recomendação para o exame é anual”, explica.

Queda na vacinação

Mesmo com tamanha relevância na prevenção do câncer de colo do útero e outros tipos, nos últimos anos, a vacinação contra o HPV vem sofrendo uma queda em níveis preocupantes. De acordo com dados recolhidos pelo Grupo Brasileiro de Tumores Ginecológicos (EVA)4 no DataSUS, do Ministério da Saúde, houve queda de 72% da aplicação em meninas e 52% em meninos, nos períodos de 2015 a 2021 e 2018 a 2021, respectivamente.

“No início da campanha de vacinação, que ocorreu há quase 10 anos, o cenário era mais positivo. Em parceria com secretarias de educação, a primeira etapa do calendário vacinal foi aplicada em escolas públicas e privadas, e a campanha foi fortemente divulgada em todos os tipos de mídia. Na época, a adesão à vacinação foi de quase 92%”, comenta a oncologista.

A queda da imunização contra o HPV cresceu gradualmente nos últimos anos, não só em decorrência da pandemia, mas por retirada da vacinação das escolas, além de falta de conhecimento da população sobre sua necessidade.

“Levar a vacina até a criança e ao jovem, nas escolas, é fundamental para o aumento da adesão. É preciso retomar a de vacinação que era tão enraizada no brasileiro. Somente com aumento de vacinados é que vamos conseguir quebrar a cadeia de transmissão do vírus e, consequentemente, evitar o surgimento do câncer”, afirma a médica.

Para mais informações sobre o Câncer de Colo de Útero acesse o infográfico da SBOC, acesse: https://sboc.org.br/prevencao/item/2137-cancer-de-colo-d.

*Informações Assessoria de Imprensa

source

Outras notícias

Saiba mais

Comentários