Porto do Itaqui fará parte de projeto pioneiro de corredor logístico a GNL no Brasil

O Porto do Itaqui fará parte de um projeto pioneiro no Brasil, que vai criar o primeiro corredor logístico a GNL. A iniciativa faz parte de uma parceria entre a Eneva, Scania e Virtu GNL.

A parceria prevê que a Eneva forneça o GNL, além de utilizar o próprio GNL para transporte de suas cargas, a Scania atue como provedora da solução de transporte, e a Virtu GNL seja a fornecedora de serviços logísticos de descarbonização, envolvendo a operação dos caminhões e postos de abastecimento.

A assinatura dos contratos celebra o primeiro movimento de grande relevância para a criação de um promissor mercado no país: o do uso do gás natural liquefeito (GNL) como combustível para o transporte rodoviário pesado de longa distância.

“A operação dá início à viabilização dos corredores verdes no Brasil, com caminhões movidos a GNL em substituição ao diesel, promovendo uma redução de até 20% na intensidade de emissões de CO2 em comparação com a alternativa tradicional do diesel, reduzindo ainda as emissões de NOx e material particulado. O total desse mercado, se somadas as principais rotas ao redor da área de influência do complexo do Parnaíba, equivale a 9 milhões de metros cúbicos de gás natural/dia, e tem um enorme potencial de crescimento. Essa cadeia de valor pode se tornar um dos principais veículos de monetização das reservas de gás natural da Eneva depois da geração termelétrica. Cada 10% deste novo mercado seriam equivalentes a aproximadamente 1 milhão de metros cúbicos de gás natural por dia”, enfatizou o CEO da Eneva, Lino Cançado.

No total, foi assinada a venda de 180 veículos, 30 deles para a GNL Brasil, uma joint venture da Eneva com a Virtu, que serão utilizados para atendimento aos contratos firmados pela empresa para a venda de GNL em pequena escala (SSLNG) para Vale e Suzano (contratos firmados em 2022), em suas instalações industriais no . Os demais 150 caminhões foram adquiridos pela Virtu GNL e serão destinados a um novo serviço a ser iniciado a partir de agosto de 2024, sendo abastecidos com gás fornecido pela Eneva, produzido no mesmo estado. Trata-se do maior contrato de venda de caminhões a GNL já realizado na América Latina.

A primeira fase do seu projeto será iniciada pela Rota do Matopiba, que compreende os estados Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia, de produtos que serão escoados pelo Porto de Itaqui, em São Luís.

“Este é um projeto pioneiro, o maior de descarbonização do transporte de longa distância do país. É uma solução logística disruptiva, sustentável e eficiente. Nessa primeira fase, a Virtu GNL implantará duas centrais de descarbonização nos municípios de Presidente Dutra e Balsas, no Maranhão, com investimento inicial de R$ 180 milhões para atuar como plataforma integrada no escoamento da produção. O projeto da Virtu GNL é criar o corredor verde de GNL do Norte ao Sul do Brasil, com investimento previsto de R$ 5,7 bilhões, que compreende 39 centrais de descarbonização e 5.300 cavalos mecânicos até 2030”, explica José de Moura Júnior, CEO da Virtu GNL.

 

source

Outras notícias

Saiba mais

Comentários

.