Menu

Notícias

Novo edital do programa Trilhas visa formar mais jovens em tecnologia da informação

Foto: Reprodução

O Governo do Maranhão, por meio da Secretaria da Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti), prepara o lançamento de novo edital do programa Trilhas, que investe na qualificação de jovens que focam na Tecnologia da Informação.

Em sua 1ª edição, o Trilhas beneficiou 100 jovens de 18 municípios, o que resultou na empregabilidade de todos eles. O investimento do Governo do Maranhão foi de R$ 200 mil por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa e ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Maranhão (Fapema), garantindo qualificação nas trilhas de Programação (Full Stack), Design e Experiência do Cliente, e Ciência de Dados.

A partir de uma capacitação de 16 semanas com conteúdo técnico e 100% online, além da oferta de bolsa no valor de R$ 500, o Trilhas alinha os jovens às oportunidades e às complexidades técnicas das empresas, assegurando que eles consigam suprir as crescentes demandas locais e internacionais nesta área reconhecida por gerar empregos de alto valor agregado.

O secretário de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação, Davi Telles, destaca que o Trilhas foi um eixo desenvolvido a partir da dificuldade em encontrar profissionais qualificados para contribuírem com o programa Inova Maranhão, que apoia projetos e empreendimentos de base tecnológica do estado.

“O Trilhas surgiu como uma ação dentro do programa Inova Maranhão, a partir do surgimento de uma necessidade muito grande em contratar desenvolvedores de software, cientistas de dados e designers em Experiência do Usuário, para atenderem às nossas startups que estavam do 3º para o 4º ciclo de incubação. É muito difícil encontrar esse tipo de profissional aqui no Maranhão”, destacou Davi Telles.

O secretário de Tecnologia afirma que foi percebida a possibilidade de transformar o Trilhas em um forte programa de empregabilidade em áreas em que há bons empregos, bons salários e que não há desemprego.

“Os relatórios de consultoria demonstram que até 2025 o Brasil irá demandar cerca de 800 mil empregos na área de tecnologia. Inclusive, todos os egressos do Trilhas estão empregados em grandes ou médias empresas aqui no Maranhão e em outros estados. Alguns deles estão trabalhando remotamente para empresas de outros países”, pontuou Davi Telles.

Na oportunidade, o secretário confirmou que a ideia faz parte do plano de governo para tornar o Maranhão um celeiro de oferta de mão de obra qualificada na área de tecnologia para o Brasil e para o mundo, e anunciou a preparação de novo edital com aumento de vagas.

“O governador Carlos Brandão, identificando essa necessidade e o êxito dessa temporada do Trilhas, assumiu o compromisso e determinou para lançarmos um edital aumentando de 100 para 1 mil vagas. Faremos isso com um nível de profissionalismo muito grande, da mesma maneira como fizemos na 1ª edição, para essas três linhas de aprendizagem: Programador e Desenvolvedor de Software, Data Science, e Designer de Experiência do Usuário”, anunciou o secretário.

Jovens beneficiadas

Aluna de Programação do Trilhas, Lilia Rosa Coelho Moura ocupa, hoje, o cargo de Desenvolvedora de Software, a iniciativa possibilitou com que ela fosse admitida pela empresa Noovi do Brasil, que trabalha com o desenvolvimento e licenciamento de programas de computador customizáveis, adaptados às necessidades de cada cliente ou ramo particular.

“Logo depois de ter concluído o Trilhas, pude ver o quanto colaborou para minha vida profissional, já que pude adquirir diversos conhecimentos que agregassem para minha carreira de programadora e, com isso, conquistei a minha tão sonhada vaga de trabalho. Atualmente, sou desenvolvedora de software back-end-c, atuo na criação de APIs, configuração de sistemas, sendo utilizadas as principais linguagens JavaScript, nodejs e alguns projetos específicos em C#”, comemorou a programadora.

Para Taís Ximenes, que foi beneficiada pela trilha de Design e hoje ocupa o cargo de UX/UI Designer Jr, o projeto foi um divisor de águas na sua vida profissional e possibilitou a construção do seu portfólio desde o curso.

“Me orgulho muito em dizer que muitas oportunidades surgiram e surgem, e o quanto o Trilhas foi essencial para que isso fosse possível. Sem dúvida nenhuma, o programa trilhas foi um divisor de águas na minha carreira profissional. Além de dar a oportunidade de grandes aprendizados, ele permitiu que eu fosse construindo meu portfólio através dos desafios que eram propostos para apresentar no mercado de trabalho”, afirmou Taís.

A designer, que foi admitida pela empresa BKPi, de inovação tecnológica focada no desenvolvimento de soluções para o Agro, avalia que o fato de ser um programa apoiado pelo Governo do Estado, é algo que impulsiona novas oportunidades e atrai o reconhecimento da iniciativa privada.

“Hoje, muitas portas se abrem por ter em meu currículo que passei pelo programa. Acredito que por ter sido por um programa de incentivo através de edital, de uma certa forma isso atrai o interesse de grandes empresas”, avaliou Ximenes.

Hoje, focada em projetos de experiência e interações digitais, Taís tem o importante papel de desenvolver processos e garantir interfaces funcionais, intuitivas e de fácil navegação para os usuários.

“O UI Designer é o responsável por criar e desenvolver elementos gráficos em uma interface. Em outras palavras, a gente pensa a tela de aplicativos e sites de uma forma que ela seja clara, objetiva e principalmente intuitiva para o usuário. A ideia é que a gente conheça os padrões de uso e costumes que já são subjetivos das pessoas para tornar o uso de uma tela (seja celular, tablet, computador ou TV) tão natural que o usuário nem precise pensar para desenvolver uma tarefa ou chegar a um objetivo”, explicou a ex-aluna do Trilhas.

Fonte: Jornal Pequeno

Saiba mais

Comentários