Milhares protestam em Israel contra Netanyahu, numa das maiores manifestações desde início da guerra

Milhares de manifestantes saíram às ruas nas cidades israelenses de Tel Aviv e Cesareia na noite de sábado, exigindo a libertação de todos os reféns detidos na Faixa de Gaza e a destituição do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu. Protestos também foram registrados em Jerusalém, Raanana e Herzliya, segundo a CNN, em uma das maiores manifestações contra o governo desde outubro, quando o ataque liderado pelo grupo terrorista Hamas contra Israel deu início a uma guerra na Faixa de Gaza.

Leia mais: Israel faz operações militares em diversos pontos de Gaza antes de reinício de negociações

Tel Aviv tem sido palco de manifestações semanais que pedem que o governo chegue a um acordo de cessar-fogo para libertar os reféns mantidos em Gaza desde outubro.

Esses protestos têm aumentado de tamanho à medida que a guerra se arrasta e a raiva contra o governo de Netanyahu aumenta.

Na noite de sábado, os sons de apitos, buzinas e tambores encheram o ar da capital, juntamente com os cantos da multidão, conforme mostrou um vídeo da agência Associated Press (AP). Os manifestantes agitavam bandeiras e carregavam fotos dos reféns israelenses com cartazes que diziam “Acordo de [libertação dos] reféns agora”. Outros cartazes deixavam clara a raiva dirigida a Netanyahu pela situação das pessoas mantidas em cativeiro — um deles dizia “Destitua-o, salve-os”.

Leia também: Israel: Suprema Corte suspende parte de subsídios a ultraortodoxos, em derrota para Netanyahu

— Exigimos que nosso governo assine um acordo agora, custe o que custar — disse Lee Hoffmann Agiv, que participou do protesto, à AP. — É uma situação de vida ou morte. Não perdoaremos nosso governo se outro refém morrer em cativeiro.

As manifestações realizadas na Rua Kaplan também pediram a realização imediata de eleições gerais. Um vídeo mostra policiais tentando conter a multidão perto do Portão Begin, uma entrada para o quartel-general militar de Kirya na cidade. Uma faixa carregada pelos manifestantes declarava: “Ninguém vai embora! Marcharemos até Jerusalém e permaneceremos lá até que o governo se dissipe”.

Reféns

Em outra manifestação na Praça dos Reféns, reféns libertados pelos Hamas instaram as autoridades israelenses a intensificarem os esforços para trazerem de volta todos aqueles que ainda estão sendo mantidos em cativeiro em Gaza. Aviva Siegel, uma refém libertada, fez um apelo emocionado às autoridades para agirem rapidamente na libertação de seu marido e outros reféns. Ela enfatizou a angústia vivida por eles e suas famílias.

Os manifestantes, incluindo apoiadores dos reféns, continuaram marchando pelas ruas de Tel Aviv durante a noite. O Fórum de Reféns e Famílias Desaparecidas anunciou que o próximo protesto ocorrerá em frente ao Knesset, o Parlamento israelense, em Jerusalém.

No decorrer da noite, houve algumas brigas. A polícia disse que, embora a manifestação fosse em grande parte pacífica, “várias centenas de manifestantes” haviam violado a ordem pública ao acender fogueiras, bloquear uma rodovia e confrontar a polícia. Os policiais usaram um canhão de água para dispersar alguns manifestantes de uma rodovia e efetuaram 16 prisões, de acordo com a polícia.

Na cidade costeira de Cesareia, os manifestantes desafiaram as barricadas policiais para marcharem em direção à residência de Netanyahu, gritando palavras de ordem contra o governo: “Não há perdão para o anjo da destruição” e “Não há perdão para os fracassos e o abandono”.

(Com AP, The New York Times e AFP)

source

Outras notícias

Saiba mais

Comentários

.