Menu

Mundo do Rap

Lewis Hamilton se abre sobre racismo e bullying que enfrentou quando criança

 

O superastro da Fórmula 1, Lewis Hamilton, se abriu sobre o racismo e o bullying que enfrentou quando criança, dizendo que seus colegas o chamavam de ‘n*gga’ durante “a parte mais traumatizante e difícil” da sua vida. O 7 vezes campeão mundial fez uma rara aparição no podcast com “On Purpose with Jay Shetty” esta semana, onde ele falou sobre o impacto que suas experiências de infância tiveram em sua vida.

“Eu já sofria bullying aos seis anos de idade”, disse Hamilton. “Acho que na época daquela escola em particular, eu provavelmente era um dos três negros e apenas crianças maiores e mais fortes que praticavam bullying estavam me atacando a maior parte do tempo. Sempre fui o último escolhido, sabe, quando você está parado no parquinho, e está na fila quando estão escolhendo times para o , sempre fui o último escolhido, ou nem sequer escolhido, mesmo se eu fosse melhor do que outra pessoa.”

Hamilton – que é filho de pai negro e mãe branca – disse que a maneira como seus colegas o tratavam o fazia questionar sua identidade e senso de pertencimento, alegando que as pessoas até jogavam bananas nele e usavam a palavra ‘n*gga’ com ele naturalmente. “As pessoas te chamam de ‘café com leite’ e, você sabe, simplesmente não sabem onde você se encaixa”, acrescentou. “Isso, para mim, foi difícil. Quando você vai para uma aula de história e tudo o que você aprende na história, não há fotos de pessoas negras na história que eles estavam nos ensinando.”

O pai de Lewis, Anthony Hamilton, é negro e descendente da Ilha de Granada, e sua mãe, Carmen Larbalestier, é branca britânica, vinda de Birmingham, na Inglaterra. Lewis Hamilton, um proeminente defensor contra o racismo e campeão da diversidade no automobilismo, reprimiu os traumas que estava experimentando, mas disse que as corridas o ajudaram a canalizar suas emoções adequadamente.

“Eu não queria que meu pai pensasse que eu não era forte”, disse ele. “E assim, eu faria, se eu tivesse lágrimas, eu as seguraria. Se eu tivesse emoções, seria em um lugar tranquilo. Não foi realmente até eu começar a correr que consegui canalizar essa emoção que tinha para a minha direção”, disse Hamilton. “E, quando coloquei este capacete, o Super-Homem era o meu favorito. Adorei como ele lutou pelo povo e adorei como ele fez as coisas certas.”

“E ele foi um personagem realmente inspirador para mim. Mas, novamente, nenhum super-herói era negro, então, você sabe, mas você ainda pode aspirar a ser alguém que não se pareça com você, sabe?”, finalizou. Hamilton agora se dedica a usar sua plataforma para o bem, incluindo a promoção da diversidade em todo o esporte que ele domina há anos.

Veja o vídeo aqui.

source

Outras notícias

Saiba mais

Comentários