Jair Renan Bolsonaro vira réu por suposta fraude em empréstimo bancário

A 5ª Vara Criminal de Brasília recebeu a denúncia oferecida pelo Ministério Público contra Jair Renan Bolsonaro, filho do ex-presidente, pelos crimes de lavagem de dinheiro, falsidade ideológica e uso de documento falso.

O “zero quatro” foi investigado por utilizar uma declaração de faturamento com informações falsas de sua empresa para obter um empréstimo bancário que não foi pago.

Procurada, a defesa de Jair Renan ainda não se manifestou. Anteriormente, os advogados já haviam negado irregularidades.

De acordo com o inquérito da Polícia Civil, o alvo da suspeita era uma declaração de faturamento de R$ 4,6 milhões da Bolsonaro Jr. e Mídia. Com esses números falsos, Jair Renan e o sócio Maciel Alves buscavam lastro para um empréstimo bancário. A empresa tinha como principal ramo de atuação fornecer “serviços de organização de feiras, congressos, exposições e festas”. Alves também virou réu pelos crimes.

“Não há dúvidas de que as duas declarações de faturamento apresentadas ao banco são falsas, por diversos aspectos, tanto material, em razão das falsas assinaturas do Técnico em Contabilidade […], que foi reinquirido e negou veementemente ter feito as rubricas, quanto ideológico, na medida em que o representante legal da empresa RB Eventos e Mídia fez inserir nos documentos particulares informações inverídicas consistentes nos falaciosos faturamentos anuais”, afirmaram os investigadores, no relatório final do caso.

Ainda segundo as investigações, a dupla contraiu pelo menos três empréstimos no Banco Santander. Jair Renan teria se beneficiado de parte dos valores obtidos de forma ilícita, por meio do pagamento da fatura do cartão de crédito de sua empresa, no valor de cerca de R$ 60 mil.

Em depoimento, Jair Renan afirmou não reconhecer suas assinaturas nas declarações de faturamento supostamente falsas e negou ter requisitado empréstimos. Perito, testemunhas e até imagens de seu login no aplicativo bancário vão de encontro a tese apresentada por ele.

Ao O Globo, o advogado Admar Gonzaga, que representa Jair Renan, disse que não comentaria o caso. Já Pedrinho Villard, que defende Maciel Alves, informou que a defesa “demonstrará inocência no curso processual”. Na ocasião do indiciamento, o advogado de Jair Renan, disse que não comentaria porque o caso é sigiloso. Na semana passada, criticou o que chamou de “vazamentos” e que, segundo ele, são prejudiciais ” à defesa, ao devido processo, à presunção de inocência e, assim, à imagem de quem tem o direito de se defender”.

source

Outras notícias

Saiba mais

Comentários

.