Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp

Fome atinge Brasil e 3 milhões de pessoas aguardam na fila de auxílios

Três milhões de brasileiros estão à espera de benefícios sociais e previdenciários numa fila que o governo não consegue reduzir, a apenas um mês do fim do auxílio emergencial, pago a 39,3 milhões de pessoas

Fome atinge Brasil e 3 milhões de pessoas aguardam na fila de auxílios
Fome atinge Brasil e 3 milhões de pessoas aguardam na fila de auxílios

Imagem ilustrativa/ Foto: Adobe Stock

De acordo com os últimos dados, 19 milhões de brasileiros passam fome e o Brasil tem enfrentado recordes de desemprego. Neste cenário, três milhões de brasileiros estão à espera de benefícios sociais e previdenciários numa fila que o governo não consegue reduzir.

A dificuldade de acesso agrava a vulnerabilidade de muitas famílias a pouco mais de um mês do fim do auxílio emergencial, pago a 39,3 milhões de pessoas. E até agora o governo não conseguiu superar o impasse para colocar de pé a nova versão do Bolsa Família, o Auxílio Brasil.

Desamparados, os brasileiros fazem de tudo para sobreviver. Dezenas de moradores de Cuiabá (MT) se aglomeraram em frente a um açougue para receber ossos para matar a fome. O estabelecimento oferece os ossos duas vezes por semana.

Segundo relatos de quem estava ali, o número de pessoas que buscam este tipo de produto para se alimentar tem crescido.

O preço dos alimentos subiu drasticamente, em especial do arroz, cujo pacote de 5 kg chega a custar R$ 40 em algumas regiões brasileiras.

Diante deste cenário, a indústria resolveu vender para consumo humano algo que antes era usado para preparar ração para animais: fragmento de arroz.

Mais barato, o fragmento do arroz consiste em grãos quebrados no processo, que eram separados para virar ração de animal.

Um exemplo da dificuldade que os brasileiros estão enfrentando é a realidade de Janaína Trindade, de 31 anos, e do marido, Rodrigo de Lima, de 43 anos. Eles têm 5 filhos e dependem da ajuda de estranhos em Almirante Tamandaré, na região metropolitana de Curitiba.

“Pedi ajuda a quem poderia doar alimento, não tenho dinheiro para o mercado. Já mandei as crianças para a casa da avó para terem o que comer. Houve dia em que a gente só teve abóbora e água”, diz a mãe da família. Janaína teve o benefício do Bolsa Família bloqueado no mês passado e vai voltar para a fila.

Fonte: O Globo

VEJA TAMBÉM

Sua opnião

PUBLICIDADE