Menu

Saúde & Bem-Estar

Identificados biomarcadores nos folículos que podem ser causa de infertilidade feminina

biomarcadores
(Foto: Freepik)

O que explica determinadas pacientes não conseguirem engravidar mesmo apresentando embriões aparentemente perfeitos em sua morfologia, com endométrio visto no ultrassom como perfeitamente saudável pra a transferência em fertilização in vitro (FIV)? A resposta pode estar em dez metabólitos presentes nos folículos ovarianos que foram identificados como potenciais biomarcadores de desfechos negativos de tentativa de gravidez. É o que aponta estudo publicado na revista científica Scientific Reports, do grupo Nature, por pesquisadores do Instituto Ideia Fértil de Saúde Reprodutiva ligado a Faculdade de Medicina do ABC (FMABC) e do Laboratório Inovare de Pesquisa da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Leia também – Pesquisas apontam relação entre Covid-19 e infertilidade do homem

Ao realizar a análise de espectrometria de massa em 49 mulheres submetidas  à transferência de embriões, foram identificados   metabólitos estatisticamente relevantes no grupo de pacientes inférteis, incluindo ácidos fosfatídicos, fosfatidiletanolaminas, fosfatidilcolinas, fosfatidilinositol, glicosilceramidas e 1-hidroxivitamina D3 3-D-glucopiranósido. Esses biomarcadores, encontrados no fluido folicular (líquido extracelular complexo que se acumula no antro dos folículos ovarianos durante o seu desenvolvimento), podem afetar negativamente os resultados da gravidez em mulheres que sofrem de doenças relacionadas à infertilidade, como endometriose, fator tubo peritoneal, fator uterino e infertilidade inexplicável.

Um dos pesquisadores é o ginecologista e obstetra Caio Parente Barbosa, do Instituto Ideia Fértil de Saúde Reprodutiva e pró-reitor de Pós-Graduação, Pesquisa e Inovação da FMABC. Segundo o médico, as falhas na reprodução assistida podem acontecer mesmo quando as condições são favoráveis. “Mesmo com embriões perfeitos do ponto de vista morfológico e o endométrio muito bom – de acordo o ultrassom – você faz uma transferência perfeita do embrião e a paciente não engravida”, relata.

O ponto de discussão do estudo, explica Barbosa, foi entender a influência do metabolismo em fazer com que não ocorra no embrião o processo de nidar (grudar no útero materno). “A ideia da pesquisa é exatamente essa: ver porque aquela paciente, mesmo sem problemas identificados, não engravidou. O embrião, apesar de ser perfeito e geneticamente adequado, não produz adequadamente seus metabólicos”, pontua.

Metodologia inédita

Para ajudar a dar mais precisão em resultados na reprodução assistida, as 49 mulheres recrutadas foram classificadas – 25 delas – como grupo IF (infertilidade), com as mulheres que não engravidaram e subclassificadas nos grupos infertilidade inexplicável (9), fator tubo peritoneal (8), fator uterino (5) e endometriose (3). Além disso, 24 foram classificadas como controle (CT), com as pacientes que engravidaram, subclassificadas em grupos de infertilidade inexplicável (7), fator tuboperitoneal (8), fator uterino (5) e endometriose (4), de acordo com os fatores de infertilidade que foram classificadasoriginalmente. Foram comparados os metabólitos nos dois grupos.

Caio Parente Barbosa explica que não existe uma regra rígida para determinar o tempo de duração de um tratamento de reprodução humana assistida ou as taxas de sucesso, afinal, dependem de diversos fatores associados à saúde do homem e, especialmente, da mulher. A taxa média de efetividade nesse tipo de procedimento é de 30% e, em muitos casos, são necessárias mais tentativas: “Por meio desta pesquisa a nossa ideia é tentar otimizar o processo, fazendo com que a paciente engravide o mais rápido possível”, reforça.

Multidisciplinar, a pesquisa contou com médicos, biomédicos, biotecnologista, farmacêutico e outros profissionais. A próxima fase para validar o teste é uma bateria de exames sem a identificação do quadro das participantes. Para isso, o centro de reprodução buscará novas voluntárias, mas sem previsão de data: “Esses estudos são muito caros.  Então, obviamente, eles dependem muito de financiamento das agências de fomento”, conclui Barbosa.

Aumenta a procura por reprodução assistida no Brasil

A infertilidade é definida como a incapacidade de um casal conceber após 12 meses de relações sexuais regularesvsem métodos de barreira, nos casos em que a mulher tem menos de 35 anos de idade ou após 6 meses de relações regulares, quando a mulher tem mais de 35 anos. O problema atinge de 15 a 20% dos casais em idade reprodutiva.

Por isso, os tratamentos de reprodução assistida são cada vez mais procurados por pessoas que não conseguem ter filhos naturalmente. Segundo o Relatório do Sistema Nacional de Produção de Embriões (SisEmbrio), em 2021, houve a realização de 45.952 fertilizações in vitro no Brasil. Porém, este é um investimento financeiro que não é viável a todos. A Dinamarca detém o título de país com maior proporção de bebês nascidos por meio da tecnologia de reprodução assistida no , num total de 10% dos nascimentos do país.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que mais de 190 milhões de pessoas no mundo sofrem de infertilidade. No Brasil são 8 milhões de casais e muitos acabam optando pela reprodução assistida, método que pode custar até 50 mil reais. Além do aporte financeiro e psicológico, a tão desejada gravidez pode demorar a acontecer.

Infertilidade feminina

Entre as principais causas de infertilidade feminina estão:

–  Idade – um dos principais fatores que contribuem para a infertilidade feminina diz respeito à idade em que se opta por buscar a primeira gravidez. A fertilidade começa a declinar gradativamente, diminuindo consideravelmente a partir dos 35 anos e diminuindo muito a partir dos 40;

– Endometriose – é uma das causas mais comuns de infertilidade. Consiste na presença de endométrio (tecido que reveste o interior do útero) fora da cavidade uterina, geralmente na zona do aparelho reprodutor feminino (ovário, trompas de falópio, ligamentos do útero, zona entre a vagina e reto), mas também na genitália externa e outros órgãos internos;

– Síndrome dos ovários policísticos – é uma disfunção da ovulação associada ao hiperandrogenismo, ou seja, uma produção excessiva de hormônios masculinos pelos ovários e glândulas adrenais.

– Problemas com peso -Tanto a obesidade quanto a magreza excessiva podem afetar a capacidade de uma mulher conceber. Novamente, a condição pode ser reversível, o que significa que, se você recuperar o peso, a fertilidade também melhora. As causas dessa interferência são hormonais: mulheres obesas têm excesso de estrogênio, enquanto mulheres com baixo peso têm deficiência desse hormônio.

*Informações Assessoria de Imprensa

source

Outras notícias

Saiba mais

Comentários