Arquiteta propõe inclusão de estações de telessaúde

estações de telessaúde
(Foto: Mariana Mie Chao / Divulgação)

O Brasil está envelhecendo em ritmo acelerado. Hoje são 29 milhões de brasileiros com 60 anos ou mais – cerca de 15% da população. Em 2030, os idosos representarão 25% da população. Em contrapartida, a telemedicina e telessaúde têm crescido a olhos vistos. Nesse contexto, a arquiteta Mariana Mie Chao vai propor em 26 de maio na 28ª Hospitalar a inclusão de estações de telessaúde em condomínios residenciais, empresas, escolas e comunidades. Nesses espaços parametrizados, pessoas de todas as idades terão privacidade, segurança ambiental e equipamentos destinados à telessaúde, que são serviços a distância realizados por profissionais de várias áreas como médicos, fisioterapeutas, nutricionistas, psicólogos entre outros.

“O envelhecimento da população com hábitos pouco saudáveis levará ao alto índice de cuidados de doenças crônicas, o que tende a comprometer o desempenho do sistema de saúde, que nos dias de hoje é baseado principalmente no diagnóstico e tratamento de doenças”, diz Mariana Mie Chao. “A implantação da estação de telessaúde em condomínios residenciais é uma estratégia para facilitar o acesso à saúde, disseminar métodos preventivos e acompanhar pessoas com condições crônicas”, complementa.

Acompanhe também – Telemedicina ganha força no SUS e agiliza atendimento médico

Mariana Mie Chao é especializada em arquitetura voltada para a saúde e bem-estar. Mestranda em Gerontologia na Universidade de São Paulo (USP) e pós-graduanda no Curso de Telemedicina para pós-graduação stricto sensu da Faculdade de Medicina da USP. É certificada com o selo Casa Saudável, conferido pelo HBC – Healthy Building Certificate, organização internacional com sede no Estados Unidos, que capacita profissionais para projetar e construir espaços saudáveis. Na palestra “Moradias inteligentes e saúde conectada”, na arena de Tecnologia, a arquiteta vai explicar que estação de telessaúde vai atender parâmetros de privacidade e segurança contra riscos de transmissão de doenças respiratórias. Contará com dispositivos como oxímetro, espirômetro, medidor de pressão, balança de bioimpedância, utilizados tanta na teletriagem como na teleconsulta médica.

“Durante o teleatendimento, o médico poderá, por exemplo, instruir o paciente a medir sua pressão ou nível de saturação de oxigênio, o que contribuirá para um diagnóstico mais assertivo”, observa a palestrante. Com a evolução da tecnologia 5G e a Internet das Coisas (IoT), os dispositivos médicos poderão ser conectados a uma rede de comunicação para a troca e coleta de informações, ampliando assim a perspectiva da prática de telessaúde. Essa comunicação seguirá os princípios da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD).

Além desses equipamentos, as estações possuirão uma série de câmeras ambientais para captar o paciente de ângulos diferentes. As imagens serão enviadas em tempo real ao profissional de saúde via plataforma digital. Em caso de queixa sobre dores nos ombros, por exemplo, o profissional de saúde irá fazer uma série de perguntas e orientar seu paciente a fazer movimentos com o braço que, ao serem observados simultaneamente por câmeras diversas, propiciarão uma avaliação clínica mais ampla. A estação servirá como unidade de teleatendimento para todos os profissionais de saúde. Fisioterapeutas, por exemplo, poderão usar esses equipamentos para fazer a telessupervisão dos exercícios propostos a seus pacientes.

A estação de telessaúde têm um conceito de acessibilidade para que pessoas em cadeiras de rodas também possam fazer uso deste espaço. A poltrona e maca serão rebatíveis para ampliar o espaço central e possibilitar o giro da cadeira de rodas ou aumentar a amplitude de movimento durante determinados exames físicos solicitados na teleconsulta.

Em conjunto com os lares Inteligentes, a estação de telessaúde estará em consonância com a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável da Organização das Nações Unidas (ONU). Também estará alinhada ao item relacionado à saúde e bem-estar do Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU.

* Informações da assessoria de imprensa

Acompanhe também – 54% dos médicos realizam teleconsultas no Brasil, aponta pesquisa

source

Outras notícias

Saiba mais

Comentários

.