Act II: Beyoncé lembra o mundo que a raiz do country é negra 

Act II: Beyoncé lembra o mundo que a raiz do country é negra 

Fevereiro é o Mês da História Negra americana e durante a noite do Super Bowl, o maior acontecimento em termos de entretenimento, dos EUA, Beyoncé se torna o foco principal ao anunciar o lançamento do Act II, uma continuação do Renaissance, sendo esse projeto totalmente inspirado na música country. Generosa, ela lança duas canções, “Texas Hold ‘Em” e “16 Carriages”, em todas as plataformas e alguns visuais no YouTube. O lançamento oficial do álbum acontece em 29 de março.

Causa um estranhamento para nós aqui, o que leva a cantora negra a lançar um álbum de música country, que é quase o que conhecemos como sertanejo aqui no Brasil. Voltando à importância da história negra em fevereiro, Bey libera parte do álbum nesse período para lembrar o que a música country nasceu negra, assim como o rock e tantos outros ritmos que se tornaram brancos por razões comerciais.

Notícias Relacionadas


Um artigo escrito no blog americano Skid More News faz um resgate cronológico dessa influência, que provavelmente foi uma das inspirações de Beyoncé. “Na realidade, assim como a maioria dos gêneros musicais populares, a música country nos EUA começou com os negros. Mais especificamente, a história do country começa com o banjo. O banjo moderno é descendente de um instrumento da África Ocidental, feito de cabaças, chamado Akonting”.

O texto menciona que “as pessoas escravizadas foram trazidas da África para a América, seus instrumentos vieram com elas. Durante quatrocentos anos, os escravos criaram sua própria música, hinos, espirituais e canções de campo – todos com raízes na música africana. Assim, na década de 1840, o banjo era visto como um instrumento exclusivamente negro; era inédito um branco tocar banjo”.

E sim, o Museu Virtual dos Instrumentos confirma essa informação. “Os banjos mais antigos foram trazidos pelos escravos da África para os EUA e para as Ilhas do Caribe. O instrumento moderno tomou sua forma durante a primeira metade do século XIX, principalmente por meio do trabalho de instrumentistas como J.W. Sweeney e Dan Emmet”.

Especificamente sobre as músicas liberadas, “Texas Hold ‘Em” é uma clara referência ao jogo de pôquer homônimo, originário do estado natal da cantora.

A segunda faixa é intitulada “16 Carriages” e apresenta uma vibe country nos versos, mas se transforma em um arranjo épico e orquestral nos refrãos. Ambas as músicas contam com a contribuição do experiente produtor Raphael Saadiq, conhecido por sucessos com D'Angelo (“How Does It Feel?”) e a irmã de Beyoncé, Solange.

“Ela está realmente resgatando os gêneros de música de raiz e trazendo-os de volta às suas origens. Primeiro era house music, agora é country. Mal posso esperar até que ela resgate o rock and roll em seguida”, disse um fã no canal de Beyoncé, já prevendo o que é bem possível de acontecer.

Notícias Recentes




Comments


source

Outras notícias

Saiba mais

Comentários

.