50 anos fazendo tudo errado. Será que já basta para os EUA?

Foto: Communist Party USA/ Divulgação

Um basta às políticas neoliberais: para maioria dos norte-americanos, nas próximas décadas a economia dos EUA será mais fraca, o país será menos importante mundialmente e mais dividido internamente

Foto: Communist Party USA/ Divulgação

Maioria dos norte-americanos afirma que suas condições de vida pioraram nos últimos 50 anos e para 18% nada mudou nesse meio século. É o que mostram pesquisas recentes sobre os resultados das políticas econômicas dos Estados Unidos. É conveniente para o resto do mundo seguir esse receituário?

Para agravar a situação, o recente estudo do Pew Research Center revela que a maioria da população também não vê o futuro melhor. Para 66% em 2050 a economia estará fraca, 71% consideram que o país será menos importante mundialmente – com 77% afirmando que os EUA também estarão mais divididos internamente.

Deve-se notar que 81% acreditam que o fosso entre ricos e pobres aumentará neste período – o que coincide com o resultado de que apenas 19% se declararem satisfeitos com suas atuais condições de vida.

A confiança no futuro do país é de apenas 12%. Em abril passado, uma pesquisa da CBS News/YouGov mostrou que 97% da população estava preocupada com sua situação financeira.

Estes resultados têm-se agravado a cada inquérito realizado nos últimos anos, refletindo assim uma tendência consolidada de mal-estar existente na população norte-americana. 80% não estão satisfeitos com o estado do país – 76% não confiam na sabedoria nacional para tomar decisões políticas.

Enquanto apenas 37% aprovam o governo Biden, os representantes no Congresso receberam nota pior, já que a gestão parlamentar é aprovada por 28%.

Em junho passado, a Gallup observou que 50% dos norte-americanos consideravam a moralidade do país “pobre”, o número mais alto desde que essa pesquisa foi realizada – embora a visão negativa sempre tenha prevalecido. Além disso, trinta e sete por cento consideraram a moralidade dos EUA “aceitável” e 12 por cento “bom” – apenas um por cento “excelente”.

Estados alterados da américa basta

De acordo com uma pesquisa de janeiro de 2023, 49 por cento dos norte-americanos disseram que se sentiram “assustados” com o que está acontecendo, enquanto 22 por cento disseram que estavam “bravos” e apenas 11 por cento expressaram entusiasmo. Apenas sete por cento acreditam que as coisas estão indo muito bem sob a liderança de Biden. Trinta por cento disseram que estão indo muito mal.

Esse contexto está afetando negativamente o estado mental da população dos EUA. De acordo com uma pesquisa Gallup de dezembro , 31% consideraram sua saúde mental “excelente”, enquanto 26% avaliaram sua saúde física dessa forma. Esses números são os mais baixos já registrados. Consequentemente, o número de pessoas que procuram um profissional de saúde mental aumentou de 13% em 2004 para 23% em 2022.

No entanto, devido aos custos, 38 por cento, o maior número registrado, afirmaram que adiaram o tratamento médico — enquanto 27 por cento o fizeram mesmo considerando sua doença muito grave ou algo grave.

Esse contexto provavelmente está relacionado ao aumento acentuado dos fuzilamentos em massa. Em 2023 já eram pelo menos 202 casos — ou seja, mais de um por dia, e confirma uma tendência crescente: em 2015 foram 329.

Em particular, destaca-se o forte aumento da taxa de mortalidade por armas de fogo entre crianças e adolescentes, que passou de 2,4 para 3,5 mortes por 100.000 menores entre 2019 e 2021 – em números, de 1.732 para 2.590 mortes por armas de fogo; o mais alto desde que o registro começou em 1999. Armas matam 12 meninos e ferem outros 32 diariamente nos EUA.

50 anos de neoliberalismo é muito

Arte: Reprodução

Produtividade líquida do trabalho e salários reais

Arte: Reprodução

Para 60% dos americanos, nem as grandes corporações nem os ricos pagam o que deveriam em impostos. Assim, 77% sustentam que o sistema econômico é injusto para a maioria da população.

Não é uma percepção infundada: há 50 anos começou a ser implantado no país o modelo neoliberal – aquele que culpava a força sindical e o Estado de bem-estar social pela recessão dos anos 1970, passando a postular que, favorecendo o acúmulo de riqueza dentro de um quadro de liberdades para o capital, o crescimento econômico e melhores condições de vida para a maioria retornariam.

A gestão macroeconômica neoliberal implicava uma opção por um controle mais rígido da inflação – mesmo que isso significasse conviver com taxas de desemprego mais altas e salários mais baixos. Assim, o salário-mínimo no país aumentou nominalmente de 1981 até o presente em apenas cinco anos. Já inflação acumulada entre 1970 e 2022 foi quase o dobro do aumento acumulado do salário-mínimo.

Como resultado desse processo, os ganhos da elevação da produtividade líquida do trabalho – que indica, em média, quanto cada trabalhador produz e se distribui entre os salários e as diversas rendas categorizadas como rendimentos do capital – se converteram majoritariamente em lucros a partir da década de 1980 (Gráfico a). Com o neoliberalismo, os salários cresceram muito pouco, enquanto os lucros disparam.

Arte: Reprodução

Participação do 1% mais rico e dos 50% mais pobres na renda nacional antes dos impostos – EUA, 1961 – 2021

Arte: Reprodução

Os efeitos dessa mudança ficaram explícitos na concentração de renda (gráfico b): os 50% mais pobres, que vinham aumentando sua participação na renda nacional no pós-guerra, após 1980 com o advento do neoliberalismo, observaram o aumento da concentração de renda nos 1 por cento mais ricos.

Dessa forma, a desigualdade de riqueza também se aprofundou. Em 1978, o 1% mais rico detinha 21,6% da riqueza, enquanto em 2021 essa magnitude correspondia a 34,9%. Os 50% mais pobres que detinham 2,5% da riqueza viram uma perda de quase 50% até a crise de 2008. Após uma pequena recuperação na última década, em 2021 eles detinham 1,5% da riqueza dos EUA (World Income Database, 2023).

Esse 1% do topo hoje está, depois de contabilizada a inflação, 527% acima do patrimônio líquido do 1% do topo em 1976, enquanto a renda dos 50% da base está agora, após a inflação, apenas 30% acima de seu nível em 1976. Rendas americanas para os 0,01 por cento do topo dispararam quase 600 por cento.

Durante os dois anos da pandemia, o Institute for Policy Studies indica que enquanto  um milhão de americanos morreram, a riqueza dos 727 milionários da América cresceu US $ 1,71 trilhão (58%).

Somos tão pobres, exceto alguns

Apesar do forte corte nos gastos sociais, a dívida pública dos Estados Unidos cresceu de 31,8% do PIB em 1974 para mais de 120% – ultrapassando 31 trilhões de dólares. Nos últimos 50 anos, a neoliberal só conseguiu superávit fiscal em cinco anos – o último em 2001. Depois desse ano, o déficit passou de meio trilhão de dólares para algo entre 2 e 3 trilhões de dólares. Estima-se que o serviço dessa dívida, que era inferior a US$ 100 bilhões na década de 1970, chegue a US$ 1,4 trilhão neste ano.

Esse resultado está ligado à política neoliberal que foi sucessivamente reduzindo a incidência de impostos sobre a riqueza e as altas rendas. A alíquota máxima de impostos pagos para cada dólar adicional ganho como renda era de 94% em 1944, passou para 70% em 1965 e está entre 28-37% desde 1987.

Segundo a CIA, entre 178 países, apenas 45 (incluindo a Argentina) têm uma distribuição de renda pior do que os Estados Unidos. Atualmente 14,4% dos americanos vivem na pobreza, e 11,1% das famílias vivem com insegurança alimentar.

Mais de meio milhão de pessoas vivem nas ruas, embora se estime que outras 140 mil vivam em carros – um crescimento de 40% nos últimos cinco anos. Muitos outros vivem em barracas, mas cada vez mais localidades estão banindo essas ‘cidades', através de repressão policial.

O número de pessoas que necessitam de assistência alimentar por meio do Programa de Assistência Suplementar à Nutrição (SNAP) cresceu de quase 3 milhões em 1969 (1,4% da população do país), para 17 milhões de pessoas em 2000 e mais de 40 milhões de pessoas em 2010 (13 % da população). Em 2022, foram 41,2 milhões de beneficiários.

Mesmo assim, informou a CNBC 1 em cada 10 adultos americanos passou fome em dezembro de 2021. Mas como três em cada quatro trabalhadores têm dificuldade para pagar as contas, 20% deles disseram que passaram fome por falta de renda, segundo a NBC News.

Pobreza não é vida basta

Recentemente, Lyndon Haviland, especialista em saúde e políticas públicas, alertou que “a maneira como medimos a pobreza é fundamentalmente falha. Ela subestima grosseiramente o número de pessoas que vivem na pobreza na América… O problema está piorando, não melhorando.”

Na verdade, para a  Poor People Campaign, existem 140 milhões de pobres, ou seja, 43% da população, e mais de 10 milhões de pessoas estão desabrigadas ou prestes a perder suas casas. Em sua campanha presidencial, em evento organizado pela entidade, Biden se comprometeu a erradicar a pobreza como “a única coisa que pode derrubar este país”. Já como presidente, Biden presidiu a primeira conferência contra a fome no país em quase 50 anos na Casa Branca, que estima-se que afete mais de 10% dos lares norte-americanos.

Talvez o registro mais preciso dessa realidade seja que, pelo segundo ano consecutivo, a expectativa de vida nos Estados Unidos caiu, de 78,8 anos em 2019 para 76,1 anos em 2021. É o menor registro em 25 anos.

Não só a expectativa de vida nos Estados Unidos é menor do que a de muitos países desenvolvidos. É menor que a de Cuba… Mas os mais ricos dos EUA vivem entre 10 e 15 anos a mais que os mais pobres.

Os últimos 50 anos se apresentam assim como de decomposição do “sonho americano” e ajudam a compreender o recente clamor que deseja “fazer a América grande de novo”. Se a trajetória dos EUA no último meio século foi essa, não se entende como aplicando as mesmas políticas neoliberais em outro país o resultado seria diferente.

Andrés Ferrari Haines é professor Associado do Departamento de Economia e Relações Internacionais da Faculdade de Ciências Econômicas da Ufrgs. Pesquisador do Núcleo de Estudos do Brics (Nebrics/Ufrgs).

Alessandro Donadio Miebach é professor Adjunto do Departamento de Economia e Relações Internacionais da Faculdade de Ciências Econômicas da Ufrgs. Diretor do Centro de Estudos e Pesquisas Econômicas (IEPE da FCE/Ufrgs).

source

Outras notícias

Saiba mais

Comentários

.